Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos pontos de cultura no Grande Recife Outros Idiomas

ID:
9624
Resumo:
Este artigo aborda a classifi cação das relações entre os gestores dos Pontos de Cultura e seus stakeholders no Grande Recife. Para isto, tem como base teórica a tipologia de stakeholders de Mitchell, Agle e Wood, que trata das relações de poder, legitimidade e urgência. A ARS – Análise de Redes Sociais foi empregada para dar suporte metodológico ao cabedal teórico da tipologia de stakeholders. Partiu-se das hipóteses de que as técnicas de ARS permitem observar as relações entre stakeholders e os seus papéis na percepção de diferentes gestores, e que os gestores percebem stakeholders, os quais constituem uma rede caracterizada por agrupamentos de laços fortes e atores centrais. Foram utilizadas técnicas de ARS e um questionário para avaliar as relações de poder, legitimidade e urgência na rede. De maneira geral, os stakeholders dos Pontos de Cultura analisados são atores vistos como legítimos nos níveis individual, organizacional e social, são ativos na busca de atenção dos gestores e têm alta infl uência simbólica. Após o mapeamento da rede dos Pontos de Cultura do Grande Recife, foi possível observar que ela é amplamente caracterizada pela presença de relações de legitimidade, fazendo com que muitos atores sejam classifi cados como stakeholders discricionários.
Citação ABNT:
MELO, P. T. N. B.; REGIS, H. P. Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos pontos de cultura no Grande Recife. Organizações & Sociedade, v. 20, n. 64, p. 75-96, 2013.
Citação APA:
Melo, P. T. N. B., & Regis, H. P. (2013). Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos pontos de cultura no Grande Recife. Organizações & Sociedade, 20(64), 75-96.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9624/classificacao-dos-lacos-entre-gestores-e-stakeholders-na-rede-dos-pontos-de-cultura-no-grande-recife/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBA, R. D. A graph-theoretic defi nition of a sociometric clique. Journal of Mathematical Sociology, v. 3, p. 113-126, 1973.

ALMEIDA, G. S.; FONTES FILHO, J. R.; MARTINS, H. F. Identifi cando stakeholders para formulação de estratégias organizacionais. In: ENCONTRO ANUAL DA

AZEVEDO, D. B. Diálogos entre stakeholders em redes de organizações de agronegócios na busca da mitigação dos efeitos da mudança climática: o caso do Instituto do Agronegócio responsável ARES. 2010. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Agronegócios, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

BORGATTI, S. P.; CARLEY, K. M.; KRACKHARDT, D. On the robustness of centrality measures under conditions of imperfect data. Social Networks, v. 28, n. 2, p. 124136, 2006.

BORGATTI, S. P.; EVERETT, M. G.; FREEMAN, L. C. UCINET for Windows: software for social network analysis. Harvard, MA: Analytic Technologies, 2002.

BREIGER, R. L.; BOORMAN, S. A.; ARABIE, P. An algorithm for clustering relational data with applications to social network analysis and comparison with multidimensional scaling. Journal of Mathematical Psychology, v. 12, n. 3, p. 328383, 1975.

BROWN, D. W.; KONRAD, A. M. Granovetter was right: the importance of weak ties to a contemporary job search. Group & Organization Management, v. 26, n. 4, p. 434-462, 2001.

BURT, R. S. Brokerage and closure: an introduction to social capital. New York: Oxford University Press, 2005.

BURT, R. S. Positions in networks. Social Forces, v. 55, n. 1, p. 93-122, 1976.

CARROLL, A. B. The pyramid of corporate social responsibility: toward the moral management of organizational stakeholders. Business Horizons, v. 34, n. 4, p. 3948, 1991.

COOPER, D. R.; SCHINDLER, P. S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fi elds. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p. 147-160, 1983.

DOMINGUES, J. L. P.; SOUZA, V. N. Programa Cultura Viva: a política cultural como política social? Elementos da análise de fundos públicos e do direito à produção da cultura. In: ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, ENECULT, 5., 2009, Salvador. Anais... Salvador: Faculdade de Comunicação/UFBA, 2009.

DONALDSON, T.; PRESTON, L. E. The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence, and implications. Academy of Management Review, v. 20, n. 1, p. 65-91, 1995.

FREEMAN, L. C. Centrality in social networks: conceptual clarifi cation. Social Networks, v. 1, n. 3, p. 215-239, 1979.

FREEMAN, R. E. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

GEST, S. D.; MOODY, J.; RULISON, K. L. Density or distinction? The roles of data structure and group detection methods in describing adolescent peer groups. Journal of Social Structure, v. 8, n. 1, n.p., 2007.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-fi rm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, v. 16, n. 2, p. 183-214, 1995.

GRANOVETTER, M. S. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

HANNEMAN, R. A.; RIDDLE, M. Introduction to social network methods. Riverside: University of Califórnia, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2008.

KIRSCHBAUM, C. Renascença da indústria brasileira de fi lmes: destinos entrelaçados? RAE Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 58-71, 2006.

KRACKHARDT, D. The strength of strong ties: the importance of philos in organizations. In: NOHRIA, N.; ECCLES, R. G. (Ed.). Networks and organizations: structure, form, and action. Boston: Harvard Business School Press, 1992. p. 216-239.

KUIPERS, K. J. Formal and informal networks in the workplace. 1999. 177 p. Tese (Ph.D.) – Stanford University, Stanford, 1999.

LARSON, A.; STARR, J. A. A network model of organization formation. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 17, p. 5-15, 1993.

LUCE, R. D.; PERRY, A. D. A method of matrix analysis of group structure. Psychometrika, v. 14, n. 1, p. 95-116, 1949.

MARTELETO, R. M. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001.

MCVEA, J. F.; FREEMAN, R. E. A Names-and-faces approach to stakeholder management: how focusing on stakeholders as individuals can bring ethics and entrepreneurial strategy together. Journal of Management Inquiry, v. 14, n. 1, p. 57-69, 2005.

MELO, P. T. N. B.; RÉGIS, H. P. Stakeholders relevantes no perfi l dos gestores dos Pontos de Cultura no Grande Recife. Organizações em Contexto, v. 8, n. 15, p. 109-136, jan./ jun. 2012.

MELO, P. T. N. B.; RÉGIS, H. P. Uma perspectiva do campo de pesquisa em redes sociais no Brasil: uma análise da produção científi ca na área de organizações. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO – CBPOT, 3., 2008, Florianópolis. Anais... Florianópolis: SBPOT, 2008.

MITCHELL, R. K.; AGLE, B. R. Stakeholder identifi cation and salience: dialogue and operationalization. In: CONFERENCE OF THE INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR BUSINESS AND SOCIETY, 8., 1997, Destin, Florida. Proceedings… Destin, Florida: IABS, 1997.

MITCHELL, R. K.; AGLE, B. R; WOOD, D. J. Toward a theory of stakeholder identifi cation and salience: defi ning the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 853-886, 1997.

MIZRUCHI, M. S. Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. RAE Revista de Administração de Empresas, v. 46, n. 3, p. 72-86, 2006.

MOKKEN, R. J. Cliques, clubs and clans. Quality and Quantity, v. 13, n. 2, p. 161173, 1979.

NEIVA, E. R.; BRITO, M. J. P. Redes sociais e mudança em uma associação de produtores rurais do planalto central. Revista Psicologia: Organizações e Trabalhos, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 5-24, 2008.

NELSON, R. O uso da análise de redes sociais no estudo das estruturas organizacionais. RAE Revista de Administração de Empresas, Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 150-157, out./dez. 1984.

OLIVEIRA, R. R. Responsabilidade social corporativa: afi nal, quem são os interessados?. E & G Economia e Gestão, v. 5, n. 9, p. 76-95, 2005.

POST, J. E.; PRESTON, L. E.; SACHS, S. Redefi ning the corporation: stakeholder management and organization wealth. Stanford University Press: Stanford, 2002.

RÉGIS, H. P. Construção social de uma rede informal de mentoria nas incubadoras de base tecnológica do Recife. 2005. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005.

RÉGIS, H. P.; DIAS, S. M. R. C.; MELO, P. T. N. B. Redes informais de mentoria no ambiente de incubadoras de base tecnológica: o apoio ao desenvolvimento da carreira empreendedora. Journal of Technology Management & Innovation, v. 1, n. 5, p. 40-52, 2006.

RIBEIRO, E. M. B. A. Redes sociais interorganizacionais: uma análise das parcerias mantidas pelas organizações integrantes do Consórcio Social da Juventude. 2006. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofi a e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2006.

RIGO, A. S.; OLIVEIRA, R. R. Capital social, desenvolvimento local e stakeholders: o caso do Projeto Urbe do Sebrae. Cadernos EBAPE.BR, v. 6, n. 2, p. 1-24, jun. 2008.

ROWLEY, T. J. Does relational context matter? An empirical test of a network theory of stakeholder infl uences. In: LOGSDON, J. M.; WOOD, D. J.; BENSON, L. E (Ed.). Research in stakeholder theory, 1997-1998: the Sloan Foundation Minigrant Project. Toronto: Clarkson Centre for Business Ethics, 2000. p. 21-35.

ROWLEY, T. J. Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholder infl uences. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 887-910, 1997.

RUBIM, A. A. C. Políticas culturais do governo Lula/Gil: desafi os e enfrentamentos. In: RUBIM, A. A. C.; BAYARDO, R. (Org.). Políticas culturais na Ibero-América. Salvador: EDUFBA, 2008. p. 51-74.

TICHY, N. M.; TUSHMAN, M. L.; FOMBRUN, C. Social network analysis for organizations. Academy of Management Review, v. 4, n. 4, p. 507-519, 1979.

WHITE, H. C.; BOORMAN, S. A.; BREIGER, R. L. Social structure from multiple networks. I. Blockmodels of roles and positions. American Journal of Sociology, v. 81, n. 4, p. 730-780, 1976.

WINN, M. I. Building stakeholder theory with a decision modeling methodology. Business & Society, v. 40, n. 2, p. 133-166, 2001.

WOOD, D. J. Theory and integrity in business and society. Business & Society, v. 39, n. 4, p. 359-378, 2000.

WOOD, D. J.; AGLE, B.R.; DONALDSON, T.; FREEMAN, R. E.; JENSEN, M.C.; MITCHELL, R.K. Dialogue: toward superior stakeholder theory. Business Ethics Quarterly, v. 18, n. 2, p. 153-190, 2008. (I Corporate responsibility and stakeholder theory: challenging the neoclassical paradigm, p. 159-162).