Dívida dos governos subnacionais brasileiros: uma análise sob a ótica do federalismo fiscal Outros Idiomas

ID:
9714
Resumo:
A presente pesquisa teve como objetivo central identificar se os governos subnacionais brasileiros poderiam ser considerados independentes do governo nacional em relação aos seus endividamentos. Uma das motivações foi explorar a temática do endividamento dos governos brasileiros, tendo em consideração o processo de convergência das normas contábeis do setor público ao padrão da IFAC. Dessa forma, foram realizadas regressões com o uso de modelos estruturais, sendo analisadas as dívidas líquidas apuradas pelo Banco Central do Brasil para o governo federal, individualmente, e para os governos estaduais e municipais, de forma consolidada, para o período compreendido entre janeiro de 2000 e dezembro de 2010. Conclui-se que o endividamento do governo federal exerceu influência direta no endividamento dos governos estaduais e indireta no dos governos municipais.
Citação ABNT:
SUZART, J. A. S.Dívida dos governos subnacionais brasileiros: uma análise sob a ótica do federalismo fiscal. Administração Pública e Gestão Social, v. 5, n. 2, p. 91-113, 2013.
Citação APA:
Suzart, J. A. S.(2013). Dívida dos governos subnacionais brasileiros: uma análise sob a ótica do federalismo fiscal. Administração Pública e Gestão Social, 5(2), 91-113.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9714/divida-dos-governos-subnacionais-brasileiros--uma-analise-sob-a-otica-do-federalismo-fiscal/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Banco Central do Brasil. (2008). Finanças públicas: sumário dos planos brasileiros de estabilização e glossário de instrumentos e normas relacionados à política econômico-financeira. 6 ed. Brasília, BACEN.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 out. 1988.

Brasil. (2000). Lei Complementar n. º 101, de 04 de maio de 2000. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 mai. 2000.

Conselho Federal de Contabilidade. Contabilidade pública: técnica – perguntas frequentes. Retrieved 20 dezembro 2011, from http://www.cfc.org.br/conteudo. aspx?codMenu=118&codConteudo=5935.

Dickey, D. A. & Fuller, W. A. (1981). Likelihood ratio statistics for autoregressive time series with a unit root. Econometrica, 49(4), 1057-1072. doi: 10. 2307/1912517

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5 ed. São Paulo: Atlas

Harvey, A. C. & Shephard, Neil. (1993). Structural time series models. In Maddala, G. S. , Rao, C. R. , & vinod, H. D. Handbook of statistics 11: econometrics (techniques and instrumentation in analytical chemistry). Amsterdam: Elsevier, 261-302.

Hyman, D. N. (1999). Public finance: a contemporary application of theory to policy. 6a ed. New York: The Dryden Press.

International Federation Accountants. (2011). Handbook of international public sector accounting pronouncements. v. 1. New York: IFAC.

Keynes, J. M. (1936). The general theory of employment, interest and money. Retreived 25 fevereiro 2008 from http://etext.library.adelaide.edu.au/k/k44g/k44g.html.

Kwiatkowski, D. , Phillips, P. C. B. , Schmidt, P. , & Shin, Y. (1992) Testing the null hypothesis of stationarity against the alternative of a unit root: how sure are we that economic time series have a unit root? Journal of Econometrics, 54, 159-178. doi: 10. 1016/0304-4076(92)90104-Y

MacKinnon, J. G. (1996). Numerical distribution functions for unit root and cointegration tests. Journal of Applied Econometrics, 11(6), 601-618. doi: 10. 1002/jae. 2295

Musgrave, R. A & Musgrave, P. B. (1980). Finanças públicas: teoria e prática. São Paulo: Edusp.

Musgrave, R. A. (1961) Approaches to a fiscal theory of political federalism. In: Universities-National Bureau. Public finances: needs, sources, and utilization. 97-134. Retrieved 13 outubro 2011 from http://www.nber.org/chapters/c2274.

Silva, M. S. (2005). Teoria sobre o federalismo fiscal: notas sobre as contribuições de Oates, Musgrave, Shah e Ter-Minassian. Nova Economia, Belo Horizonte, 15(1), 117-137.

Tanzi, V. (1995). Fiscal federalism and decentralization: a review of some efficiency and macroeconomic aspects. In: Annual World Bank Conference on Development Economics, 1995, Washington: The World Bank, 295-315.