Os limites fiscais e orçamentários da reforma gerencial nos estados: o exemplo de Minas Gerais Outros Idiomas

ID:
9873
Resumo:
O artigo analisa os resultados obtidos com a implantação do Choque de Gestão em Minas Gerais, quanto à capacidade de produzir os resultados esperados nos aspectos orçamentário e fiscal e de sustentá-los no médio prazo. É analisada a evolução da execução orçamentária estadual, de 2004 a 2011, tendo como foco o percentual dos investimentos e a forma de financiamento das despesas estaduais, com base na reforma gerencial iniciada em 2003. Foi realizada uma pesquisa quantitativa para avaliação da evolução de indicadores fiscais e orçamentários, tais como Resultado Primário e Nominal, Resultado Primário Marginal, Resultado Operacional Líquido, Índice de Investimento, Resultado Fiscal dos Recursos Ordinários, entre outros. Valendo-se da pesquisa, conclui-se que, quanto à situação fiscal do Estado de Minas Gerais, o panorama não se mostra muito favorável, apesar dos Resultados Orçamentários Fiscais positivos desde 2004. Destaca-se a redução das taxas de resultado primário marginal obtidas, a ampliação dos Níveis de Endividamento Estadual e a utilização dos recursos de fontes vinculadas e diretamente arrecadadas como forma de garantir os superávits fiscais orçamentários. Sob a ótica da ampliação das receitas estaduais, constatase, a partir de 2009, redução no índice de arrecadação estadual. Quanto à redução das despesas e à melhoria da qualidade do gasto público, observa-se o ano de 2004 como um período de ajuste; porém, os resultados sugerem que as melhorias percebidas nos anos iniciais após o denominado “Choque de Gestão” não se perpetuaram e não podem ser considerados como duradouros e capazes de produzir resultados de médio prazo.
Citação ABNT:
SILVEIRA, M. C.; FONSECA, G. P. S.; OLIVEIRA, K. P. Os limites fiscais e orçamentários da reforma gerencial nos estados: o exemplo de Minas Gerais. Contabilidade Vista & Revista, v. 23, n. 1, p. 127-163, 2012.
Citação APA:
Silveira, M. C., Fonseca, G. P. S., & Oliveira, K. P. (2012). Os limites fiscais e orçamentários da reforma gerencial nos estados: o exemplo de Minas Gerais. Contabilidade Vista & Revista, 23(1), 127-163.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/9873/os-limites-fiscais-e-orcamentarios-da-reforma-gerencial-nos-estados--o-exemplo-de-minas-gerais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRÚCIO, Fernando Luiz; GAETANI, Francisco. Avanços e perspectivas da Gestão Pública nos Estados: Agenda, aprendizado e coalizão. In: CONGRESSO CONSAD, AVANÇOS E PERSPECTIVAS DA GESTÃO PÚBLICA NOS ESTADOS. 2006, Brasília. Anais... Brasília, 2006.p 21-80.

ABRÚCIO, Fernando Luiz. O impacto do modelo gerencial na Administração Pública: Um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Brasília, Cadernos ENAP, nº 10, 1997.

ABRÚCIO, Fernando Luiz. Os barões da Federação: Os governadores e a redemocratização brasileira. São Paulo: Hucitec/USP, 1998.

ABRÚCIO, Fernando Luiz; SOARES, Márcia. Miranda. Redes Federativas no Brasil: Cooperação Intermunicipal no Grande ABC. Oficina Municipal, v. 24, 2001. São Paulo: Cedec, Fundação Konrad Adenauer.

ALBUQUERQUE, Claudiano et al. Gestão de Finanças Públicas: Fundamentos e práticas de planejamento, orçamento e administração financeira com responsabilidade fiscal. 2. ed. Brasília: Coleção Gestão Pública, 2008.

ANDREWS, Matthew; SHAH Anwar. Citizen-Centered Governance: A new approach to public sector reform. In: World Bank, Public Expenditure Analysis, Washignton, DC: World Bank, p. 153-182, 2005.

BARRO, Robert J. Government spending in a simple model of endogenous growth. Journal of Political Economy, Cambridge, v. 98, p. 103-117, 1990.

BAYRAKTAR, Nihal; MORENO-DODSON, Blanca. How can public spending help you grow? An Empirical Analysis for Developing Countries. World Bank Policy Research Working Paper Series, 2010.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei Complementar, nº 101, 4 de maio de 2000. LRF – Lei de Responsabilidade Fiscal, Brasília, 24p. 2000.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1998.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria do Tesouro Nacional. Plano de Contas Aplicado ao Setor Público: Manual Técnico de Contabilidade Aplicada ao Setor Público. 4. ed. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, 2011.

BRESSER PEREIRA, Luiz Carlos. Reforma do Estado para a Cidadania: A reforma gerencial brasileira na perspectiva internacional. São Paulo: 34. ed. Brasília: ENAP, 1998.

FERREIRA, Caio Márcio Marini. Crise e reforma do Estado: Uma questão de cidadania e valorização do servidor. In: PETRUCCI, Vera; SCHWARZ, Letícia (Orgs.). Administração Pública Gerencial: A reforma de 1995. Brasília: Editora Universidade de Brasília: ENAP, 1999, cap. 2, p. 63-96.

GOBETTI, Sérgio Wulff; KLERING, Luis Roque. Índice de Responsabilidade Fiscal e Qualidade de Gestão: Uma análise combinada baseada em indicadores de Estados e municípios. Brasília: ESAF, 2007. Disponível em: Acesso em: 1º ago. 2012.

LOPREATO, Francisco Luiz. O endividamento dos governos estaduais nos anos 90. Texto para Discussão. IE/UNICAMP, Campinas, n. 94, 2000.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Fazenda. Balanço Geral do Estado. Belo Horizonte, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Fazenda. Relatório Resumido da Execução Orçamentária. Belo Horizonte, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012.

MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Lei de Diretrizes Orçamentárias. ANEXO I – Metas Fiscais. Belo Horizonte, 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012.

NORTH, Douglass. Institutions, institutional change, and economic performance. Cambridge, 1990.

OLIVEIRA, Francisco de. O surgimento do Antivalor. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 22, p. 8-28, 1988.

PAULA, Ana Paula Paes de. Por uma nova Gestão Pública: Limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

PEROTTI, Roberto. Growth, income distribution, and poverty. Journal of Economic Growth, New York, v. 1, p. 149-178, 1996.

PITLIK, Hans; SCHRATZENSTALLER, Margit. growth implications of structure and size of public sectors. WIFO Working Papers, nº. 404, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2012.

REZENDE, Flávio da Cunha. Por que falham as reformas administrativas? Rio de Janeiro: FGV, 2004.

ROSSETTI, José Paschoal. Economia brasileira. São Paulo: Atlas, 1984.

SANTA HELENA, Eber Zoehler. Competência parlamentar para geração e controle de despesas obrigatórios de caráter continuado e de gastos tributários. Brasília: Edições Câmara, 2009.

SOUZA Celina. Federalismo e descentralização na Constituição de 1988: Processo decisório, conflitos e alianças. Dados, Rio de Janeiro, v. 44, n. 3, p. 513-560, 2001.

SOUZA, Celina. Intermediação de interesses regionais no Brasil: O impacto do federalismo e da descentralização. Dados, Rio de Janeiro, v. 41, n. 3, p. 569-592, 1998. Disponível em: . Acesso em: 24 ago. 2012.

VARGAS, Neide César. Estados no Brasil e o controle fiscal e financeiro pela União no pós-real. 2006, 245f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal de Campinas, Campinas, 2006.

VILHENA, Renata et al. O Choque de Gestão em Minas Gerais: Políticas da Gestão Pública para o desenvolvimento. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

WORLD BANK. Avaliação da eficiência da gestão do investimento público. 2009. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2012.

YEOH, Melissa; STANSEL, Dean. Is public expenditure productive? Evidence from the Manufacturing Sector in U.S. Cities, 1880-1920. Cato Journal, Washignton, DC, v. 33, n. 1, 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 mar. 2013.